Superman: Brainiac | Confira nossa resenha sobre a clássica edição do Homem de Aço

Superman: Brainiac, de Geoff Johns e Gary Frank.

Superman: Brainiac é um arco de histórias publicado nos EUA, nas edições 866 à 870 da revista Action Comics, e no Brasil em Superman 80 e 81, da Panini (2009), além de um encadernado pela própria em 2015, e outro pela coleção da Eaglemoss em 2016. A história também foi adaptada para uma animação – SupermanUnbound, de 2013.

A história é parte da elogiada fase de Geoff Johns à frente do personagem. Na cronologia da DC comics, essas edições se situam algum tempo depois da Crise Infinita, o que abre algumas possibilidades de retcons por parte dos autores, e Johns sendo um grande fã da era de prata dos quadrinhos (demonstrou isso em sua extensa fase à frente do Lanterna Verde), aproveita o momento cronológico citado para fazer um trabalho de resgate de conceitos com o Superman, trazendo dois importantes elementos antigos para o centro da trama: A cidade engarrafada de Kandor e o vilão Brainiac.

A história se inicia com uma invasão alienígena em Krypton momentos antes de sua destruição, comandada por Brainiac, que logo se revela como o elemento de central importância no desenrolar da trama: a destruição do planeta natal do Superman foi causada pelo vilão, que em sua missão paranóica de assimilar conhecimento e em seguida deixar um rastro de destruição, poupa apenas a cidade de Kandor, mantida intacta em uma garrafa até os dias de hoje como uma forma de Souvenir.

Interessante observar a crescente necessidade de tramas megalomaníacas por parte dos autores de quadrinhos de super-heróis, e em contra-mão dessas histórias, surgem pequenos clássicos como Superman: Brainiac, que apesar de elementos de grandiosidade (invasão alienígena e destruição de Krypton), carrega uma simplicidade notável. Desde as tramas paralelas, sejam no planeta diário com a repaginação de personagens como Steve Lombard e Cat Grant, ou na fazenda de seus pais, existem vários desses momentos que não ficam de forma nenhuma arrastados no enredo: Muito pelo contrário, são bem marcantes, assim como a trama principal. Nos diálogos com Jonathan e Martha, fica bem claro de onde vieram seus traços humanos mais fortes, como a extrema bondade ou a simplicidade de se pedir um conselho aos pais, mesmo carregando o peso do mundo nas costas. E que peso! Temos aqui uma história onde o Superman quer evitar a todo custo que aconteça ao seu lar adotivo o mesmo que ocorreu com seu lar original.

O vilão Brainiac tem aqui a sua possível melhor personificação. Antes sempre representado como um robô / vírus / inteligência artificial, aqui possui uma forma de vida mais humanóide, dando à entender que todos confrontos anteriores com o vilão tinham sido na verdade contra “minions” do mesmo.

O vilão trás consigo o já citado conceito da cidade de Kandor ter sobrevivido, e com isso inúmeras implicações para o futuro de Kal-El. Implicações muito mais impactantes e significativas para seu futuro do que muitos dos mega-eventos que prometem trazer mudanças definitivas em suas propagandas. Mais detalhes da trama entregariam spoilers, mas saibam que é uma ótima história, de rápida leitura e com uma arte incrível. Gary Frank é um dos meus artistas preferidos dos últimos anos, e sua arte neste arco conta com um certo “diferencial”: Ele emula em seu traço de Superman o rosto de Christopher Reeve, que apesar de bem parecido, não soa forçado ou estranho.

Para finalizar, vale uma observação: Aqui, o superman com seu lado “família”, me soa muito mais… Superman. Muito mais Superman do que outras encarnações, como a dos Novos 52, que inicia com seus pais adotivos já falecidos, e não investe no clássico romance com Lois Lane. É algo que me lembra fortemente o Superman do Rebirth, com a bela repaginação de Peter J. Tomasi.

Essa fase, conforme dito antes, desencadeou grandes mudanças na vida de Clark. Mudanças essas vistas na fase Nova Krypton. Além disso, a dupla Johns-Frank atuou em alguns outros arcos marcantes do Homem de Aço, como Origem Secreta e Legião dos Super Heróis. Podemos revisitá-los em breve também.

 

Louco por explorar vários cantos da cultura pop, em especial filmes e HQs. E em especial os da casa das Lendas, que produziu e continua produzindo tantas histórias marcantes.

Daniel Martins

Louco por explorar vários cantos da cultura pop, em especial filmes e HQs. E em especial os da casa das Lendas, que produziu e continua produzindo tantas histórias marcantes.

Error: Access Token is not valid or has expired. Feed will not update.
This error message is only visible to WordPress admins

There's an issue with the Instagram Access Token that you are using. Please obtain a new Access Token on the plugin's Settings page.
If you continue to have an issue with your Access Token then please see this FAQ for more information.