Batman | Conheça os artistas anônimos do personagem

Você sabia que as origens do Homem-Morcego remontam a alguns desenhistas anônimos? Sabia também que a capa dele foi inspirada por uma obra de Da Vinci? E que o visual foi inspirado no Zorro? Isso mesmo!

Primeiro, as inspirações pro visual. O visual do Batman surgiu inspirado no vilão encapuzado de The Bat Whispers (1930) e nos heróis do começo do século, Zorro (1919) e o Morcego Negro (1933).

The Bat Whispers (1930)

Sua capa partiu da idéia de Leonardo Da Vinci para o Ornitóptero (um protótipo bizarro de um helicóptero, mas que tinha asas que se assemelhavam a morcegos). Bob Kane até surgiu com a idéia principal. Mas quem deu forma ao nosso detetive predileto foi Bill Finger. Finger deu a idéia da capa, em vez de asas, máscara com orelhas grandes, olhos brancos e luvas com barbatanas. Coisas que ainda perduram. O rosto surgiu a partir de influências externas. Chester Gould criou há décadas o famoso detetive Dick Tracy. E o desenhista fazia seu maior personagem com o queixo bem quadrado. Por isso, a maior característica dos desenhos em geral é o queixo quadrado. Ou seja, já temos a formação-base do nosso detetive.

Ornitóptero – Leonardo Da Vinci

 

Segundo, os vilões. Nisso, Chester Gould também tem participação. Ele tinha como hábito criar vilões deformados e dementes. Dessa época temos: Mulher-Gato (1940), Pinguim (1942) e Duas-Caras (1942).

Nisso, o personagem já alçava novas altitudes. Estava fazendo sucesso e publicada em cada vez mais jornais e revistas. Pelo contrato de exclusividade de Kane, a demanda aumentava. E pra isso, ele contratou uma equipe. Como naquela época era comum creditar a produção somente ao chefe dela, Bob Kane assinava e outros desenhavam. O artista-empreendedor começou a ganhar fama, prestígio e dinheiro. Nas costas dos coleguinhas, é claro. Só se descobriu que Bill Finger era co-criador do Batman, em 1974! Finger havia falecido e estava na hora de colocá-lo na sua posição de criador conjunto.

Isso ainda não esclarece nada sobre os artistas anônimos. Bom, na época era normal a terceirização da arte. Alguns daqueles desenhistas eram até melhores que os próprios criadores dos personagens. Com o passar do tempo (e nosso acesso a tecnologia), foram revelados os nomes de alguns deles.

Jerry Robinson tinha 17 anos quando foi contratado como arte-finalista e letrista. Com o  tempo, ele começou a desenhar e até a roteirizar. Ele também marcou as histórias do Batman com a criação da maior arma do Homem-Morcego: Robin. Inspirado em Robin Hood e com aquele visual todo medieval, o Menino-Prodígio foi inserido na Detective Comics #38 de abril de 1940. Já como criação conjunta foi criado o antagonista mais famoso do planeta: Coringa. De longe, o mais famoso vilão dos quadrinhos, o Coringa foi claramente inspirado no personagem do ator Conrad Veidt do O Homem que ri (1928). Além do Coringa, o trio criou o mordomo que toda família gostaria de ter em casa: Alfred. Dada a importância dos personagens, diminuir a importância dessas mentes criadoras que não são creditadas seria, no mínimo, injusto.

Jerry Robinson (1922-2011)

Lew Schwartz desenhou o Batman entre 1947 e 1953. Em um mundo tão dinâmico como o dos quadrinhos, esse tempo equivale a eras. Ele também merece estar aqui nesta homenagem. Ele criou em parceria com David Vern Reed o poderoso Floyd Lawton, o Pistoleiro.

Lew Schwartz (1926-2011)

Outro que modificou a forma como vemos Batman hoje em dia foi Dick Sprang. Ele era capista e substituiu Curt Swan em 1955. Ele é considerado o artista definitivo do Batman na década de 50. Ele reformulou o Batmóvel e criou o visual do Charada, inserido na Detective Comics #140 (1948).

Dick Sprang (1915 – 2000)

Outro artista que trabalhou nas décadas de 50 e 60 no anonimato foi Sheldon Moldoff (ou Shelly). Era uma época de muitas criações bizarras como o Bat-Cão, Ace, Homem-Calendário, Batmirim, Batwoman (a original, não como a conhecemos hoje) e outros. Sua marca mesmo foi na co-criação do Senhor Frio (1959) e Hera-Venenosa (1966).

Sheldon ‘Shelly’ Moldoff (1920-2012)

A DC não renovou o contrato de exclusividade de Kane. Então Batman passou pra outras mãos. Carmine Infantino criou o Arrasa-Quarteirões em 1965 e o Intruso em 1966. Mas sua contribuição mais valiosa foi a Batgirl. Não a primeira. Mas, a mais famosa. Bárbara Gordon que estreou na Detective Comics 359 de 1967 foi a grande contribuição de Infantino pra mitologia do Homem-Morcego.

Carmine Infantino (1925-2013)

Isso nos ensina que nem sempre um personagem e, principalmente, um universo surge de uma mente só. Ele recebe contribuições de várias pessoas com o passar dos anos. Esses homens, nem sempre reconhecidos, também ampliaram o riquíssimo Batverso e hoje, nós fãs devemos muito a eles.

Estivador, Escritor, Gênero: Terror, Futuro Cavalheiro de Windsor, Morador de Mordor, Batfã, Notívago. Escrevo para o UDC52 e para a humanidade por hobby. Fora os poemas pra alguém especial. “Não leve a vida tão a sério. Você não vai sair vivo dela.”

Will Rodrigues

Estivador, Escritor, Gênero: Terror, Futuro Cavalheiro de Windsor, Morador de Mordor, Batfã, Notívago. Escrevo para o UDC52 e para a humanidade por hobby. Fora os poemas pra alguém especial. "Não leve a vida tão a sério. Você não vai sair vivo dela."

Error: Access Token is not valid or has expired. Feed will not update.
This error message is only visible to WordPress admins

There's an issue with the Instagram Access Token that you are using. Please obtain a new Access Token on the plugin's Settings page.
If you continue to have an issue with your Access Token then please see this FAQ for more information.